21 junho 2018

PLP 268 -Previ e Funcef estão sob ameaça

Deputado apresenta parecer favorável ao projeto de lei que enfraquece a gestão dos trabalhadores sobre os fundos de pensão e abre as portas dessas entidades para o controle de agentes do mercado, o que pode resultar em prejuízos bilionários, a exemplo do Postalis; matéria pode ser votada em breve





Os ataques contra os empregados de empresas públicas não param. O projeto de lei 268 (PLP 268/16), que pode inviabilizar a participação dos trabalhadores na gestão dos fundos de pensão, como a Funcef (Caixa) e a Previ (Banco do Brasil), recebeu parecer favorável do deputado Jorginho Mello (PR-SC), relator da matéria na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC).
A tramitação do texto encontra-se em regime de urgência – aguardando inclusão na Ordem do Dia do plenário para votação – sob a relatoria extraoficial do deputado Marcus Pestana (PSDB-MG).
Por estar em regime de urgência, o projeto pode ser votado a qualquer momento no plenário da Câmara dos Deputados. Movimento sindical conclama os participantes dos fundos de pensão a enviarem mensagens aos deputados e senadores cobrando a não aprovação do PLP 268/16.

PLP 268 acaba com eleição para diretoria

Atualmente, a gestão dos fundos de pensão é compartilhada de forma paritária entre a patrocinadora (empresa) e os trabalhadores. O PLP 268/16 divide o conselho deliberativo em três: uma parte para agentes de mercado, outra para a empresa patrocinadora e a terceira para os trabalhadores.
Além disso, o PLP 268 determina que a diretoria será formada por agentes selecionados no mercado, e não mais composta de forma partiária entre indicados pela empresa e eleitos pelos assocciados dos fundos de pensão, como ocorre atualmente. 
“Esses agentes contratados no mercado vão acabar decidindo sempre em favor da patrocinadora. Com a metade do poder atualmente, os trabalhadores vão passar a ficar com um terço do conselho deliberativo e não poderão mais eleger seus representantes na diretoria”, alerta Valter San Martin Ribeiro, conselheiro da Anapar (Associação Nacional dos Participantes dos Fundos de Pensão) e dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo pelos empregados da Caixa. 
“Para os associados, será um prejuízo imenso. No caso da Previ, por exemplo, nós elegemos metade da diretoria e metade do conselho, então, na prática, esse projeto transfere o controle para a patrocinadora”, avalia José Ricardo Sasseron, titular representante dos participantes no Conselho Nacional de Previdência Complementar.

Postalis amarga prejuízo bilionário sob gestão de mercado

Um exemplo que comprova o potencial danoso que a gestão de mercado pode causar nos fundos de pensão é o caso do Postalis, fundo de pensão dos funcionários dos Correios, cuja gestão dos ativos foi entregue ao banco estadunidense BNY Mellon.

O Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo abriu em janeiro deste ano processo civil contra unidade brasileira do banco norte-americano para ressarcimento de R$ 8,2 bilhões em prejuízos causados ao Postalis, e seus beneficiários.
Como única administradora financeira dos recursos da entidade, o BNY Mellon “praticou atos irregulares que dilapidaram o patrimônio do Postalis e obrigaram os participantes a arcar com uma contribuição extraordinária de 25,98% (além da ordinária de 9%) por 180 meses”, de acordo com o MPF.

A mais grave ameaça

“O PLP 268 é a mais grave ameaça que nós temos à governança dos trabalhadores aos fundos de pensão”, reforça Marcio de Souza, eleito pelos trabalhadores para o cargo de diretor de Administração da Previ.
“Os próprios funcionários têm de se mobilizar contra esse tipo de ataque e cobrar dos parlamentares que votem contra esse projeto que acaba com a eleição direta de diretores pelos associados e coloca no comando dos fundos de pensão agentes de mercado que têm interesses de curto prazo e conflitantes com os interesses dos associados, que são de longo prazo”, complementa.

“Ninguém é capaz de fazer uma gestão melhor dos fundos de pensão do que os próprios trabalhadores e dirigentes, já que nós somos associados dos planos e interessados diretos na administração dos nossos próprios recursos”, afirma Valter San Martin Ribeiro.
FONTE: http://spbancarios.com.br/06/2018/previ-e-funcef-estao-sob-ameaca
NOTA DO BLOG:
Esses sindicalistas, dirigentes de associações das mais diversas do nosso meio, sempre ataca o PLP268, sem apresentar resultados concretos, nossa participação hoje dentro do fundo de pensão é apenas para satisfazer o regulamento eleitoral, na hora de agir em nosso favor, as desculpas são sempre as mesmas, o voto de minerva, foi poucas vezes usado, pois as votações são sempre em favor das determinações do patrocinador BANCO DO BRASIL S/A.
Onde existe muita mobilização contra a mudança do PLP268, certamente vai nos beneficiar em ações que vai trazer ganhos ao corpo social, vista que pior que esta dificilmente vai ficar, quantos bilhões nós perdemos até os dias de hoje, cada crise nós não dormimos mais, pois todo o lucro é superficial, ganhamos muitas vezes mas nunca levamos, até nosso BET foi cortado na gestão dos DIRETORES ELEITOS, e ai sempre vem com a mesma conversa fiada que os contratados pelo mercado são piores que os pratas da casa.
Nesta eleição ficou provado que não existe marco regulatório, o que a PREVIC fala não se escreve.
Que cada Aposentado, Pensionista, tira a sua própria conclusão, afinal o máximo que podemos fazer é viver das migalhas que nos sobra da mesa dos poderosos de plantão e quando eles resolve deixar cair alguma migalha.

13 junho 2018

Banco rejeita proposta das Entidades que busca salvar a Cassi



As Entidades que integram a Mesa de Negociação sobre a Cassi (ANABB, AAFBB, CONTEC, e FAABB) apresentaram ao Banco do Brasil, no dia 5 de junho, uma proposta transparente e consistente em razão das dificuldades enfrentadas pela Caixa de Assistência. No entanto, o Banco, ao contrário do que se esperava, informou, por meio de nota, nesta sexta-feira, 8 de junho, que não vai aceitar a proposta das entidades e que vai manter a proposta que ele mesmo apresentou para a governança da Cassi. 
Sobre o adiantamento estimado em R$ 1,2 bilhão, para ser quitado em 10 anos, solicitado como ações de curtíssimo prazo pelas entidades, o Banco do Brasil respondeu que não realizará nova antecipação de recurso, uma vez que já antecipou as contribuições patronais sobre o 13º salário dos próximos quatro anos, no valor de R$ 323 milhões.
A ANABB lembra que esse valor citado pelo Banco se refere as contribuições extraordinárias que foram feitas pelo patrocinador com base no que estava previsto no Memorando de Entendimentos de 2016, mas que, segundo o próprio Relatório Anual 2017 da Cassi, não foram suficientes para sanar os déficits da Caixa de Assistência.  
O Banco também ressaltou, por meio da nota, que as proposições apresentadas pelas entidades não se enquadram no diagnóstico feito pela empresa de consultoria Accenture. E completou: “o modelo de proposta desenvolvido pelo Banco contempla um robusto conjunto de mudanças que se fundamenta nos estudos realizados em três pilares: custeio, arquitetura organizacional, eficiência, gestão e governança”.
Para a ANABB, a atitude do Banco vai contra ao posicionamento insistentemente disseminado pela instituição sobre a importância da participação das entidades nas discussões sobre Cassi. Em todas as recentes reuniões, os representantes do BB conclamaram as entidades, que são as verdadeiras representantes dos funcionários da ativa e aposentados, a encaminharem suas sugestões. O objetivo sempre foi construir uma proposta em conjunto. Mas, na prática, isso não aconteceu.
A ANABB manterá os associados informamos sobre os próximos passos que serão tomados.
Fonte: Agência ANABB

06 junho 2018

Contraf-CUT e entidades cobram do BB retorno da mesa de negociação da CASSI

Banco saiu da mesa de negociação enviando proposta diretamente à Cassi.




31 maio 2018

FUNDOS DE PENSÃO: PLP268/2016.

O PLP 268/2016 altera a Lei Complementar Nº 108, de 29 de maio de 2001, e foi criado com o objetivo de aprimorar os dispositivos de governança das entidades fechadas de previdência complementar vinculadas à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios e as autarquias, fundações, sociedades de economia mista e outras entidades públicas.

Corre afirmações positivas que as últimas eleições ocorridas na Previ, tivemos candidatos que passou pelo crivo da comissão eleitoral sem a certificação devida, e mesmo após comunicado feito pela Previc (Superintendência Nacional de Previdência Complementar), a Previ em comunicado em seu site, vai empossar os Eleitos, numa clara postura de desrespeito a Previc, vamos ver como as nossas ENTIDADES vão reagir a mais esta situação dentro do nosso fundo de pensão PREVI e como tudo vai terminar, pois sabemos que grandes associações de Aposentados e Pensionistas, disputaram essas Eleições em lados opostos, e agora tem a grande chance de fazer a ANULAÇÃO DESTAS ELEIÇÕES.

A proposta em discussão na Câmara altera a composição dos conselhos dos fundos das estatais que passariam a ter dois indicados pelo patrocinador, dois eleitos pelos trabalhadores e dois conselheiros “independentes”, dentre os profissionais do mercado. 

Hoje a relação é paritária, com três indicados e três eleitos. 

As diretorias dos fundos também passarão a ser formadas por diretores “independentes”, contratados em processo seletivo, conduzido por empresa especializada, sob a orientação do Conselho Deliberativo.

Esta situação agora exposta, via Eleições da Previ, é com toda certeza um grande motivo para se levantar novamente a situação do PLP268/2016, e buscarmos novas alternativas para essa tramitação com muita urgência na Câmara dos deputados e como também no Senador Federal para termos essas deliberações e votações e até mesmo o aprofundamento desta matéria pelas nossas entidades que são tecnicamente contra esse projeto de mudanças. 

Temos que nos mexer, como Aposentados como Pensionistas, sempre dão um remendo na situação e tudo continua como antes dentro do nosso fundo, lembre-se que estamos com problemas nessas certificações desde a chapa 3, tivemos novas eleições e renuncia do candidato e terminamos o mandato com Diretor que si quer foi eleito para o cargo que ocupa, com decisão do Conselho Deliberativo que usurpa as suas funções e esta claramente contra as determinações da PREVIC.

Temos que cobrar, esse é o momento certo para cobrar e cobrar pesado dessas associações que gosta muito de arrecadar as nossas custas, mas que na hora de agir todo mundo fica em cima do muro, meu dinheiro não é capim e se as entidades apoiaram as chapas inscritas, agora tem o dever de fazer os reparos necessários, inclusive com ações na justiça e pedido de liminar para CANCELAR A POSSE DESTA CHAPA VENCEDORA.

É DE EXTREMA URGÊNCIA TOMADA DE DECISÃO.



22 maio 2018

A ABRAPP tenta derrubar decisão de primeira instância que torna ilegal devolução de superávits a patrocinadores.

 A luta de participantes e assistidos recebe duro golpe. O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro ajuizou Ação civil pública, com pedido de liminar, contra a Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) por permitir a reversão ilegal de valores de fundos de pensão às empresas patrocinadoras. Por conta de uma manobra, a Caixa de Previdência do Banco do Brasil (Previ), por exemplo, transferiu ilegalmente mais de R$ 7,5 bilhões para o Banco do Brasil em detrimento dos participantes de um de seus planos de benefícios. (processo nº 2014.51.01.114138-1 JF/RJ).
        A ação ataca outras formas de apropriação de reservas, que o MPF descreve como "duplamente ilegais", por violarem a lei complementar e também o procedimento estabelecido na própria resolução do governo.
A Caixa de Previdência do Banco do Brasil, por exemplo, não seguiu o mesmo caminho de outros fundos, que formalizaram na Previc um pedido de autorização de reversão aos patrocinadores. Ela obteve a autorização para uma mera "alteração regulamentar" que embutiu a transferência ilegal de reservas de um de seus planos de benefícios para uma conta a ser utilizada pelo Banco do Brasil, "a critério do próprio banco". Isso foi feito com a tolerância da Previc, mesmo com manifestação contrária da Secretaria do Tesouro Nacional, e gerou a transferência ilegal, até agora, de R$ 7,5 bilhões aos patrocinadores da Previ, em detrimento dos participantes de um de seus planos de benefícios.

De acordo com o procurador da República Gustavo Magno Albuquerque, responsável pela ação, “a norma que rege os fundos de pensão estabelece um sistema bastante claro para os casos de superávit dos planos de benefícios. Os princípios do regime de previdência complementar, a destinação das reservas formadas pelos fundos e o tratamento dos casos de superávit ou déficit constam da lei de forma estruturada e lógica. A resolução editada pelo governo viola gravemente todo o sistema, quebra seus princípios e desvirtua os fundos. Além disso, as ações e omissões ilegais da Previc, aliadas a interesses de bancos e outras grandes empresas, impõem a urgente correção de uma ilegalidade bilionária."
Diante dessa situação ilegal, o MPF pede a anulação de todos os atos pelos quais a Previc permitiu ou tolerou, nos últimos cinco anos, as reversões de recursos de planos de benefícios em favor das empresas que contribuem para esses fundos. A ação pede que se declare a ilegalidade dos dispositivos que permitiram essa manobra para beneficiar tais empresas patrocinadoras (artigos 20, III, parte final, 25, 26 e 27 da Resolução CGPC n° 26/08). Além disso, o MPF quer também que a Previc seja condenada a adotar todas as medidas administrativas que assegurem e promovam o retorno ao estado anterior dos valores revertidos ilegalmente das reservas especiais dos fundos de pensão.
MAS..... A Abrapp – Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar que é  representativa dos interesses comuns das Entidades Fechadas de Previdência Complementar, tem feito de tudo para DERRUBAR a Ação Civil Pública. A ABRAPP atua contrariando interesses de participantes e assistidos, pois defende mesmo os PATROCINADORES, ou seja, os poderosos Fundos de Pensão das Estatais e seus milionários patrocinadores.

Fonte: FAABB



19 maio 2018

A parábola do cientista e da criança: Como Consertar o Mundo

Um cientista vivia preocupado com os problemas do mundo e estava resolvido a encontrar meios de melhorá-los. 

Passava dias em seu laboratório em busca de respostas para suas dúvidas.

Certo dia, seu filho de sete anos invadiu o seu santuário decidido a ajudá-lo a trabalhar.

O cientista, nervoso pela interrupção, tentou que o filho fosse brincar em outro lugar.

Vendo que seria impossível demovê-lo, o pai procurou algo que pudesse ser oferecido ao filho com o objetivo de distrair sua atenção.

De repente deparou-se com o mapa do mundo, o que procurava! 

Com o auxílio de uma tesoura, recortou o mapa em vários pedaços e, junto com um rolo de fita adesiva, entregou ao filho dizendo:

Você gosta de quebra-cabeças? 

Então vou lhe dar o mundo para consertar. 

Aqui está o mundo todo quebrado. 

Veja se consegue consertá-lo bem direitinho! Faça tudo sozinho.

Calculou que a criança levaria dias para recompor o mapa.

Algumas horas depois, ouviu a voz do filho que o chamava calmamente:

Pai, pai, já fiz tudo. Consegui terminar tudinho!

A princípio o pai não deu crédito às palavras do filho.

Seria impossível na sua idade ter conseguido recompor um mapa que jamais havia visto. 

Relutante, o cientista levantou os olhos de suas anotações, certo de que veria um trabalho digno de uma criança.

Para sua surpresa, o mapa estava completo. 

Todos os pedaços haviam sido colocados nos devidos lugares. 

Como seria possível? 

Como o menino havia sido capaz?

Então ele perguntou:

Você não sabia como era o mundo, meu filho, como conseguiu?

Pai, eu não sabia como era o mundo, mas quando você tirou o papel da revista para recortar, eu vi que do outro lado havia a figura de um homem. 

Quando você me deu o mundo para consertar, eu tentei mas não consegui. 

Foi aí que me lembrei do homem, virei os recortes e comecei a consertar o homem que eu sabia como era.

Quando consegui consertar o homem, virei a folha e vi que havia consertado o mundo.


O Círculo do Ódio 

O diretor de uma empresa gritou com seu gerente porque estava irritadíssimo.

  • O gerente, chegando em casa, gritou com a esposa, acusando-a de gastar demais.
  • A esposa, nervosa, gritou com a empregada, que acabou deixando um prato cair no chão.
  • A empregada chutou o cachorrinho no qual tropeçara enquanto limpava os cacos de vidro.
  • O cachorrinho saiu correndo de casa e mordeu uma senhora que passava pela rua.
  • Essa senhora foi à farmácia para fazer um curativo e tomar uma vacina. Ela gritou com o farmacêutico porque a vacina doeu ao ser aplicada.
  • O farmacêutico, ao chegar em casa, gritou com a esposa porque o jantar não estava do seu agrado.
  • Sua esposa afagou seus cabelos e o beijou, dizendo: Querido! Prometo que amanhã farei seu prato favorito. Você trabalha muito. Está cansado e precisa de uma boa noite de sono. Vou trocar os lençóis da nossa cama por outros limpinhos e cheirosos para que durma tranqüilo. Amanhã você vai se sentir melhor. Retirou-se e deixou-o sozinho com seus pensamentos.
Neste momento rompeu-se o Círculo do Ódio! Esbarrou na TOLERÂNCIA, na DOÇURA, no PERDÃO e no AMOR. Se você está no Círculo do Ódio, lembre-se de que ele pode ser quebrado.
"Não mude sua natureza. Se alguém te faz algum mal, apenas tome precauções".
Preocupe-se mais com sua consciência do que com sua reputação. Porque sua consciência é o que você é, e sua reputação é o que os outros pensam de você. E o que os outros pensam, é problema deles.

Fonte: http://aurelio.net/email/o-circulo-do-odio.html


POST:

PUBLICADO, PARA UM CERTO ANÔNIMO, PHD, EM VÍRGULA , CRASE, CONCORDÂNCIA, ORTOGRAFIA, VERBOS DE LIGAÇÃO E TUDO MAIS PARA SABER ESCREVER BEM.

  A verdade é que não se tem muito o que fazer: é aprender ou aprender!

17 maio 2018

“Sejamos como o sol que não visa nenhuma recompensa, nenhum elogio, não espera lucros nem fama, simplesmente brilha!”

Meus caros colegas do Blog, nesta semana tivemos um assunto em foco, que foi a manutenção dos anônimos, ou do anonimato no blog do nosso colega Ari Zanella.

Anônimo ou anonimato:

Aquele que não assina o que escreve.

Indivíduo desconhecido ou que não quer dar a conhecer-se.

Temos ótimos comentários vindos de colegas que sobre esta condição de anonimato tem feito participações extraordinárias em relação aos nossos assuntos em foco que é a PREVI/BB/CASSI.

Mas como em todas as áreas, dentro da nossa vida, existe também os participantes que usa deste instrumento para promover a INTELIGÊNCIA EMOCIONAL,  quanto esse nos tira do sério, fazendo comentários audaciosos, muitas vezes mexendo com nossos valores morais, se torna um especialista, um profissional de sucesso em favor de desqualificar uma pessoa ou um cargo que ocupa, por vaidade, egoismo, inveja, olho grande e principalmente no sentido de minar a nossa trincheira, vem sempre com esse bombardeio antes de uma eleição, de um evento que mexe com a motivação dos colegas Aposentados e Pensionistas do nosso plano de benefícios.

Sempre no modus operante, sabe muito bem como atacar, fazendo isso com maestria, tempo e disposição para tirar o condutor do blog, do sério, fazendo ele sempre pensar se vale mesmo a pena lutar por nossas causas, por nossos objetivos, assim como nosso fundo de pensão age sempre usando regulamentos e normas internas para retirar nossos direitos, fazendo todos intender que aquele objetivo é para o bem do coletivo e não apenas para um grupo que teve piores complicações na sua jornada como pai e mãe de família, que teve sua vida financeira arrasada não porque lhe foi retirado direitos, mas porque somos incompetentes em gerir as nossas finanças como tantos outros que estão bem financeiramente e tem no fundo de pensão apenas mais um complemento de renda como tantos outros auferidos como alugueis, propriedades e aplicações que lhes rende um final de vida digno e tranquilo. 

Esses ditos colegas são amigos ou inimigos? 

Estão trabalhando a mando de alguém ou de alguma entidade?

Quais seus objetivos pre definidos?

A resposta é clara, não querem deixar passar as verdades que metade da população do fundo passa, preferem jogar as meias verdades na mídia, prefere viver dos bons resultados, sempre a esconder a verdade, maquiada com colegas que aceita participar do jogo sujo, das mentiras e da falta de transparência em tudo que compõe os nossos números( BET -acordo quebrado antes do prazo de pagamento), acordo ponte para salvar a Cassi, o dinheiro já acabou e a situação se complica a cada dia que passa, promessas vazias, como as que foram feitas agora pelos novos representantes eleitos, etc...). 

E com isso vamos vivendo como podemos, como verdadeiros mágicos que somos, temos que driblar as adversidades para manter as nossas contas em dias, e rotando grosso que fazemos parte do maior fundo de pensão da América Latina, o mais polpudo em termos de números, o mais bem administrado, o que apresentou os melhores resultados e que paga em dias seus compromissos, porque a sua maior missão é pagar benefícios e não conserta a vida dos endividados que durante a sua jornada laboral não souberam administrar os seus recursos.

Ter uma atenção seletiva significa mirar em uma ou em poucas, ou em  muitas prioridades, colocando tarefas secundárias em segundo plano.

Pessoas que alcançam rendimento máximo, seja nos estudos, nos negócios, nos esportes ou nas artes, são as que prestam atenção no que é mais importante para o seu desempenho e assim age esse destruidor, sempre atento a manipular as informações para atingir o blogueiro alvo, no caso o que mais tem audiência, que ativamente tem produzido bons frutos, ninguém ataca árvore que não produz bons frutos,  e assim vamos ficando desfalcados de pessoas que realmente se traduz em eficiência nas operações de combate a ausência dos nossos representantes eleitos, porque efetivamente esse devia ser o papel dos nossos representantes dentro das funções que ganharam as eleições para prestar bons serviços a nossa comunidade dentro do fundo de pensão.

Fui conselheira fiscal da ANAPLAB, durante o meu mandato o Ari Zanella foi Presidente, ativo, atuante, associação que reconhece o valor dos associados, dando de presente via prêmio de pontualidade todos os meses, hum mil reais, para o número sorteado pela loteria federal que mais se aproxima da matricula do colega aposentado ou pensionista, fez a constituição da chamada reserva técnica, um fundo para em situações adversas a associação ter um caixa para eventuais problemas na arrecadação, esse montante tem crescido, via da ótima administração, por pessoas que não recebe nenhum centavo, todos trabalha de graça, os estatutos proíbe que seus membros venha receber qualquer valor como honorários, isso é uma prova incontestável do uso dos recursos de forma racional, sem prejudicar quem quer que seja, pois todos que assume a luta, sabe que dali não vai retirar recursos, mas que tudo vai ser usado para buscar nossos direitos, ações que pode mesmo com a demora do nosso judiciário, trazer bons frutos, via de uma ação vitoriosa, uma tese bem defendida, um corpo de bons advogados que pode nos auxiliar em grande projeto para melhorar a qualidade de vida dos seus participantes e associados, e que nosso fundo enxerga como a INDÚSTRIA DAS AÇÕES JUDICIAIS CONTRA O NOSSO FUNDO DE PENSÃO e não como danos de reparação a remendos orquestrados e que retira direitos ao longo dos tempos e das mudanças de estatutos da nossa caixa de Previdência.

Somos todos responsáveis por aquilo que escrevemos, e muitas vezes temos que reparar os nossos erros, até mesmo respondendo via judicial ou extrajudicial por defender uma causa, fora os tantos comentários que somos obrigados a excluir, porque muitos na sua fúria escreve algo que vai ferir terceiros, mesmo que essa não seja a intenção é um prato cheio para esses bem remunerados anônimos que estão sempre de plantão para produzir seus comentários com o único objetivo, encher o saco do blogueiro de plantão e causar discórdia entre os colegas que aqui frequenta, seja com malicias de duplo sentido ou seja com a intenção de botar mais lenha na fogueira das vaidades.

Temos que mudar nosso foco, nossas ações, vigiar mais e certos assuntos ser tratados a sete chaves, para que possamos então ter sucesso na nossa busca por melhores resultados a todos, acho que chegou o momento da virada, de termos mais foco em mudanças, mesmo que para isso cada blogueiro passe a usar seus próprios meios de conter essa gente e NÃO PUBLICAR MESMO MATERIAL QUE TEM PÚBLICO CERTO, pode até ser que vão dizer que foram CENSURADOS, mas esta é verdadeiramente a única maneira de parar o IBOPE desta gente SPAM, gente que só trás conteúdo impróprio e que por causa deles prejudica tanta gente de bem, pessoas que são realmente maravilhosas, são cumpridoras do seu dever e tem amor por nossa causa de verdade, são verdadeiros guerreiros que mesmo escondido via anonimato não foge a luta e se aparecer um problema ele é suficiente para assumir o seu erro.

03 maio 2018

ANABB lamenta quebra de acordo na Mesa de Negociações da Cassi

Entidades participaram de reunião para conhecer proposta do Banco do Brasil para a Cassi


Em 27.04.2018 às 10:22


Na última terça-feira, 24 de abril, a ANABB participou de nova Mesa de Negociações da Cassi. Também participaram as entidades representativas do funcionalismo – Contraf/CUT, Contec, AAFBB, Faabb os diretores eleitos da Cassi, Humberto Almeida e William Mendes, e dirigentes do Banco do Brasil. A ANABB foi representada pelo presidente, Reinaldo Fujimoto, e pelo vice-presidente de Relações Institucionais, João Botelho.
O Diretor de Gestão de Pessoas do BB, José Caetano de Andrade Minchillo, iniciou a reunião apresentando, em caráter reservado às entidades, a proposta do Banco para as mudanças na Cassi. Segundo o dirigente, a proposta não seria aberta aos associados por se tratar de uma versão preliminar, feita com base no relatório da consultoria Accenture.
O dirigente do BB enfatizou que as entidades poderiam discutir a proposta em suas bases, buscar melhorias nos pontos considerados relevantes e apresentar, inclusive, uma contraproposta. “A ideia era que o documento fosse construído com a participação das entidades que compõem a mesa de negociação e representam os associados da Cassi. Com as contribuições que as entidades fariam, a proposta seria novamente analisada para, então, ser apresentada aos associados”, esclarece Reinaldo Fujimoto.  
Após a apresentação do Banco, como é de praxe, as entidades se reuniram para construção de um texto informativo aos associados, contendo um resumo da reunião com a unificação do pensamento das entidades representativas.  
No entanto, em desacordo com a decisão firmada em Mesa de Negociação, a Contraf/CUT e a Contec divulgaram por meio eletrônico alguns itens da proposta preliminar do Banco do Brasil.

INFORMATIVO DAS ENTIDADES SOBRE A REUNIÃO
Após as discussões na Mesa de Negociação da Cassi, as entidades se reuniram e construíram um texto informativo sobre o andamento das negociações com o Banco do Brasil, para divulgar aos associados.  
ACESSE O INFORMATIVO NA ÍNTEGRA

QUEBRA DE ACORDO
A ANABB lamenta o fato de a Contraf-Cut e a Contec divulgarem propostas preliminares, apresentadas em caráter reservado pelos seguintes motivos:
  1. Ao divulgar, sem o consentimento de todos os envolvidos, uma proposta ainda não finalizada, a Contraf/CUT e Contec dificultam o processo de discussão, uma vez que os associados, como não participaram da reunião com o Banco, podem não compreender o contexto geral das propostas.
  2. A divulgação intempestiva pode levar o funcionalismo do BB a entender equivocadamente que não há espaço para melhorar a proposta, quando ficou claro na reunião que se trata de proposta preliminar, a ser aperfeiçoada pelo conjunto das entidades que compõem a mesa de negociação, após consultarem suas bases e levar em conta a realidade dos associados da Cassi;
  3. As entidades que compõem a Mesa de Negociação devem honrar o que é acordado nas reuniões, sob o risco de enfraquecimento das negociações e perda da credibilidade junto ao BB.
A ANABB reforça o compromisso em defesa dos interesses dos associados em todas as instâncias. “Defendemos que os associados, que são os verdadeiros donos da ANABB, da Cassi e de todas as outras entidades, tenham acesso a todas as informações, mas elas precisam ser repassadas sempre com total senso de responsabilidade, para evitar consequências indesejadas para o funcionalismo do BB”, ressalta Reinaldo Fujimoto.  

BOLETIM DO BANCO DO BRASIL
O Banco do Brasil divulgou um boletim para os funcionários informando sobre as tratativas na Mesa de Negociações da Cassi e ressalta que proposta é inicial ainda está em de negociação.
Fonte: Agência ANABB