10 setembro 2020

ANABB e entidades lutam para reduzir valores da coparticipação




 Reunião para tratar coparticipação, entre outros assuntos como PAF e Limaca, aconteceu nesta quarta-feira, 9 de setembro,

Em 10.09.2020 às 11:46Compartilhe:  

“...aprova, por maioria, a alteração do percentual de coparticipação, até que haja implementação efetiva de medidas com vistas ao equilíbrio econômico-financeiro da CASSI”.    
O trecho acima se refere à decisão do Conselho Deliberativo da Cassi sobre o aumento da coparticipação a partir de janeiro de 2019. Nela, o colegiado demonstra a necessidade de alteração da cobrança, naquele momento, em razão do déficit nas contas da Cassi. Porém, deixa claro que a revisão dos patamares de coparticipação seria necessária tão logo fossem implementadas as medidas indispensáveis para o equilíbrio financeiro da Caixa de Assistência. No entanto, essa parte da decisão ainda não está sendo cumprida.
Para cobrar um posicionamento sobre esse tema que onera exclusivamente os associados, as entidades que integram a Mesa de Negociação se reuniram, nesta quarta-feira, 9 de setembro, por videoconferência, com a Diretoria da Cassi. Participaram do encontro representantes da ANABB, AAFBB, Contec, Contraf-Cut e FAABB, além da diretoria da Cassi - Dênis Corrêa e Ana Cristina Rosa, e os eleitos Luiz Satoru e Carlos Flesch. Representando a ANABB, participaram o presidente Reinaldo Fujimoto e os vice-presidentes Graça Machado e Haroldo Vieira.
Dada a sua relevância, a coparticipação sempre esteve entre os temas discutidos pela Mesa de Negociação durante a proposta de sustentabilidade da Cassi. Tal fato se fez necessário porque, a partir de janeiro/2019, a Caixa de Assistência promoveu aumento significativo na cobrança que incide sobre a realização de exames e consultas, sob o argumento de que as contas da Cassi precisavam de um incremento.
Ao longo do processo negocial, para garantir uma proposta justa aos associados, as entidades que integram a Mesa de Negociação se ampararam na decisão do Conselho Deliberativo e firmaram um compromisso também com a Diretoria da Cassi sobre a retomada dos índices de coparticipação aos patamares de 2018.
No entanto, apesar do entendimento unânime de todos os representantes de funcionários da ativa e aposentados sobre o que foi acordado, a Diretoria da Cassi não reconhece o compromisso feito no processo negocial.
Para as entidades que vêm buscando fortalecer um modelo de diálogo mais transparente com a Cassi em benefício dos associados, o não reconhecimento desse compromisso gera perplexidade.  Os representantes do funcionalismo cobram que houve empenho de palavra junto aos associados sobre o tema coparticipação e o rompimento do que foi acordado representa quebra de confiança. É preciso que haja comprometimento com os assuntos que foram informados aos associados.

COPARTICIPAÇÃO NÃO É RECEITA
A reivindicação das entidades para que a coparticipação retorne aos patamares de 2018 (10%, para exames, e 30% para consultas) ocorre em momento oportuno, já que o novo modelo de custeio está refletindo bons resultados para a Cassi.
Entretanto, a Diretoria da Cassi entende a cobrança da coparticipação como receita adicional relevante para a sustentabilidade da Caixa, sem levar em conta o ônus que ela representa para os associados que mais necessitam de atenção à saúde.
Até agora, a Diretoria da Cassi não apresentou nada de concreto sobre o que pretende em relação à coparticipação. Apenas informou que o tema está sendo estudado. Nesse sentindo, as entidades propuseram como pauta final da reunião que a Cassi retorne a coparticipação aos patamares de 2018, até que seja apresentado, debatido e negociado  um estudo mais concreto por parte da Diretoria.  
Outro argumento da Diretoria da Cassi, que vem sendo rebatido pelas entidades, é que o novo modelo de custeio leva em consideração os índices atuais de coparticipação e que retomá-los aos patamares de 2018 pode gerar impactos. A esse respeito, as entidades argumentam que o aumento do percentual de coparticipação representa pouco mais de 1% das despesas anuais da Cassi.

As entidades também questionam a Cassi sobre os impactos do Performa e da política de redução de salários e cargos do BB nas receitas da Cassi. Sobre isso, os diretores da Caixa, inclusive os eleitos, nada respondem. Nenhuma providência foi adotada, não houve qualquer conversa com os representantes do Banco.
Vale lembrar que as entidades vêm mostrando à Cassi que a coparticipação não pode ser considerada uma receita, e sim um fator moderador de utilização dos serviços de assistência médica – portanto, um redutor de despesas. Segundo a literatura médica, aplicação de percentuais elevados pode ter efeito nocivo, inibindo ações de prevenção que evitariam despesas maiores no futuro. Os reajustes que foram propostos trazem ônus justamente aos associados que mais necessitam dos serviços, enquanto eximem o patrocinador Banco do Brasil de contribuir com a parte patronal. Caso a coparticipação alcançasse o BB, será que ainda estaria no patamar atual?
Ainda que a Cassi tenha incluído a coparticipação como parte das receitas, para as entidades os associados não podem ser penalizados de forma unilateral, o que desequilibra a balança de contribuições entre associados e patrocinador .

PAF e LIMACA TAMBÉM FORAM DISCUTIDOS
Além da coparticipação, as entidades também questionaram o corte radical na Lista de Materiais e Medicamentos Abonáveis – LIMACA, já que mais de 1.800 medicamentos foram excluídos da lista. Veja abaixo:

Antes
Depois
Redução
Princípio Ativo
365
92
74,8%
Medicamentos
                         2.985
                         1.167
60,9%
Materiais
143
31
78,3%

Sobre esse tema, a direção da Cassi vem sendo cobrada sistematicamente, em particular as diretorias eleitas, mas não houve apresentação de qualquer proposta ou estudo, limitando-se a respostas evasivas e protelatórias.
Condições crônicas como doenças oncológicas, diabetes, embolia, tromboses, doenças vasculares cerebrais, insuficiência renal crônica, entre outras, foram simplesmente retiradas do rol de patologias abonáveis, em flagrante descompromisso com a saúde dos associados mais agravados.
Desde que a Cassi promoveu a redefinição da Limaca, muitos associados estão sendo penalizados, pois tiveram a interrupção no fornecimento de medicamentos. Cobrados a esse respeito, mais uma vez, os diretores mostraram indiferença à situação dos associados e esquecem que os resultados superavitários registrados em 2020 se devem ao fato do associado ter aceitado aumentar seu percentual de contribuição e também contribuir adicionalmente por seus dependentes.
Para os associados, são apresentados os resultados positivos como conquista da gestão, alardeando bons ventos, mas no debate do ônus excessivo, decorrente de sua política de corte de benefícios, a gestão apresenta outra visão dos mesmos resultados.

BANCOS INCORPORADOS TAMBÉM FOI PAUTA
Os direitos dos funcionários de bancos incorporados de ingressarem no plano também foi tema da reunião. Sobre isso, a Diretoria da Cassi nada apresentou. Argumenta não ter ascendência sobre o tema e remete o assunto ao BB, sem buscar em nenhum momento a solução, como se dela não fizesse parte.

ENTIDADES CONTINUARÃO NA DEFESA
ANABB, AAFBB, Contec, Contraf-Cut e FAABB continuarão diligentes e firmes, cobrando da direção da Cassi atitudes concretas e lembrando aos dirigentes que a missão da Caixa é cuidar da saúde de seus associados.
Fonte: Agência ANABB

18 agosto 2020

O Caminho para um Final Feliz!

Portanto, quem ouve estas Minhas palavras e as pratica é como um homem prudente que construiu a sua casa sobre a rocha.
Caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram contra aquela casa, e ela não caiu, porque tinha seus alicerces na rocha.
Mas quem ouve estas Minhas Palavras e não as pratica é como um insensato que construiu a sua casa sobre a areia.
Caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram contra aquela casa, e ela caiu, e foi grande a sua queda.
Essas palavras concluíram o discurso de Cristo sobre a ética do Reino dos Céus e suas Expectativas para aqueles que desejam ser seus seguidores e escolhem viver com base em valores eternos.
Esta postagem de hoje tem como base um ser humano que sempre nos ajudou, ajudou aos mais necessitados Aposentados, Pensionistas do Banco do Brasil S/A, Previ e Cassi, autor do livro O Conselho Fiscal nas empresas e nos fundos de pensão - No Olho do Furação. 
O nosso colega e companheirão de lutas Dr Medeiros, medeirosrs.blogspot.com, Jose Bernardo de Medeiros, sempre dedicou a batalhar por aqueles que tem uma condição menos abastada, por aqueles que viveram na dependência da renovação do seu empréstimo simples, para complementar a sua renda, outros por ter que comprar os medicamentos de primeira necessidade.
Na novembrada ele juntamente com outros colegas lutaram por todos nós, sempre buscando o bem da coletividade, já teve aborrecimentos por defender aos nossos interesses, assim como outros blogueiros que também busca informar a nossa comunidade dos assuntos que são diretamente ligados a todos nós participantes e assistidos do maior fundo de pensão da América Latina(Previ).
Peço em meu nome e em nome dos mais de 20 mil pensionistas, para que continue sempre fazendo o bom combate, tudo que aprendeu no Rotary, para resolver problemas reais, é preciso compromisso, visão e pessoas que entram em ação, com dedicação, energia e inteligência e a sabedoria que vem de Deus.
Como uma pequena Homenagem ao Senhor Dr Medeiros, nosso ajudador aqui na terra, aos bravos de coração, limpo na sua Alma e no seu Espírito.
DAVI, O HOMEM SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS.
Davi foi o grande rei de Israel, o homem segundo o coração de Deus, e sua história demostra que Deus escolhe as pequenas coisas, sem nenhuma reputação, pois foi em direção a um desconhecido e humilde pastorzinho das montanhas da Judeia, perto de Belém, que Deus enviou Samuel com o óleo da unção.
Davi era de uma família de muitos irmãos, seu pai chamava-se Jessé e pertencia a tribo de Judá.
Davi era um habilidoso tocador de harpa e foi isso que, primeiramente, fez com que ganhasse a simpatia de Saul, Por ser desobediente ao Senhor, Saul era constantemente perturbado por demônios.
A música de Davi animava-o e aliviava-o, por isso Saul o amou muito, e então Davi tornou-se seu músico e guardador de armas.
O maior feito na juventude de Davi foi contra um filisteu chamado Golias, Israel havia saído para batalhar contra os Filisteus, e Davi estava cuidando do rebanho de seu Pai, seus irmãos mais velhos, como de costume, foram para a batalha.
É provável que, apesar da sua saúde e força, ainda não tivesse 20 anos, idade em que os Israelitas se tornavam soldados.
Um dia, Jessé enviou Davi a batalha para ver como estavam seus irmãos mais velhos e para levar-lhes mantimentos, Davi encontrou todos amedrontados por um gigante arrogante, chamado Golias, que tinha mais de três metros de altura e sempre aparecia desafiando alguém a lutar sozinho com ele, Davi ficou impressionado com o medo dos Israelitas, pois sabia que Deus podia conceder a vitória e acreditava que a causa era justa, ofereceu então para enfrentá-lo. 
Davi relatou como havia matado um leão e um urso que atacaram o rebanho do seu Pai e disse que, com o poder de Deus, poderia também matar o gigante, assim, Saul o enviou para a batalha.
Davi não levou espada ou lança, mas um alforje de pastor e cinco pedras polidas, e o Senhor deu-lhe a vitória, matou o gigante e levou a sua cabeça para Saul.
Meu desejo, através deste pequeno relato é mostrar ao nosso Gigante aqui nas nossas causas, que o seu Blog do Medeiros é o nosso DAVI contra os Gigantes.
Essa sua escolha de si por ao lado dos mais necessitados é o que te manteve de pé, fiel a sua certeza que sempre contribui para ajudar a todos nós.
Sou muito grata por tudo que sempre fez por nossa comunidade, mesmo cada um morando em Estados, Cidades diferentes, Todos que conhece a sua integridade e respeito da CRÉDITO AS SUAS PALAVRAS.
Muito obrigada, gratidão, gratidão, gratidão, gratidão,gratidão,gratidão, 7 VEZES GRATIDÃO.
Foto: retirada do blog da colega Leopoldina, olhar de coruja.


28 julho 2020

Chapa 1 obtém quase 60% dos votos e vence eleição da Previ

Nossos parabéns à chapa vencedora, a Chapa 1.

Desejamos sabedoria e sorte na nova gestão.

Agradecemos imensamente o carinho, apoio e dedicação de todos aqueles que estiveram conosco nesta caminhada e que votaram e apoiaram a chapa 2.

Saímos satisfeitos de ter regado a sementinha da representatividade, mais uma vez, o meu muito obrigada, de coração, aos que tornaram essa experiência uma das mais emocionantes da minha vida nos meus 74 anos de idade, saber do poder do apoio dos sindicados, que mesmo com a troca do Presidente,(República), continua tendo um longo alcance dentro da nossa comunidade do BB,PREVI,CASSI.

A Chapa 1 Previ para o Associado, apoiada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e pela maioria das entidades sindicais e associativas dos funcionários do Banco do Brasil, venceu a disputa com 58,14% do total dos votos e 63% dos votos válidos. O resultado foi divulgado no final da tarde desta segunda-feira (27).

O pleito elegeu Wagner Nascimento, que é diretor do Sindicato dos Bancários de Belo Horizonte e ex-coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB de 2014 a 2019, para a Diretoria de Seguridade. Também foi eleito parte do Conselho Deliberativo, do Conselho Fiscal e dos conselhos consultivos do Plano 1 e do Previ Futuro. Veja a composição completa da chapa eleita.

“O resultado mostra os funcionários sabem quem é que defende seus interesses e lutará para que a Previ continue sólida e garanta uma aposentadoria com tranquilidade para os associados”, disse o coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), João Fukunaga.

A Previ é o maior fundo de pensão da América Latina e uma história de sucesso dos funcionários do Banco do Brasil. Graças, principalmente, ao modelo de governança, na qual os associados têm participação fundamental na fiscalização e na gestão, que se tornou modelo para o sistema de previdência complementar no país.




09 julho 2020

Cargos a serem preenchidos, Eleições Previ .

De 13 a 27 de julho de 2020, serão realizadas as eleições para a escolha de representantes dos participantes nos cargos de Administração e Fiscalização da Previ e nos Conselhos Consultivos do Plano 1 e do Previ Futuro, na forma do Estatuto e do Regulamento de Consultas aos Participantes e Assistidos.


Quem pode votar

Podem votar participantes e assistidos maiores de 18 anos, inscritos nos planos de benefícios da Previ até 31/1/2020.

Como votar

Para facilitar a participação de todos, o canal de votação de parte dos associados mudou nas eleições 2020. Todos os participantes votam pelo site da Previ; pelo aplicativo móvel da Previ (App); pelos terminais de autoatendimento (TAA) do Banco do Brasil S.A. Participantes da ativa também podem votar pelo SisBB.
É importante lembrar que, para votação pelo site Previ e pelo App, é necessário possuir senha emitida pela Previ (a mesma utilizada para consultar o Autoatendimento do site da Previ). Para votação no TAA, serão utilizados o cartão e a senha do Banco do Brasil.

Cargos a serem preenchidos

O processo de votação será realizado para preenchimento dos seguintes cargos:
- Conselho Deliberativo: dois membros titulares e dois membros suplentes
- Conselho Fiscal: um membro titular e um membro suplente
- Diretoria Executiva: Diretor de Seguridade
- Conselho Consultivo do Plano 1: um membro titular e um membro suplente
- Conselho Consultivo do Previ Futuro: um membro titular e um membro suplente
O mandato para os membros eleitos será de 1/6/2020 até 2/6/2024.
Vote Chapa 1 em defesa dos associados
O compromisso da Chapa 1 é com a boa gestão do patrimônio da Previ, a defesa dos direitos dos associados e a construção de aposentadoria digna para todos.
Nesta eleição o associado escolhe o Diretor de Seguridade e membros dos conselhos Deliberativo, Fiscal e consultivos de planos. Os eleitos serão responsáveis pela aplicação segura e responsável do patrimônio, pela preservação do estatuto e dos regulamentos e melhorias dos planos.
Os candidatos da Chapa 1 Previ para o Associado têm experiência e conhecimento da Previ. Têm histórico de vida em defesa do funcionalismo. E contam com apoio das entidades representativas para fortalecer a defesa dos associados.
Defendemos o Banco do Brasil como instituição pública imprescindível para a recuperação da economia. A permanência do BB como empresa pública também é fundamental para a sobrevivência da Previ e dos planos de benefícios.
Visite o site www.previparaoassociado.com.br e nossas páginas nas redes sociais

Vote Chapa 2 Mais União
Caro Colega BB,
Papo rápido e importante para todos nós, associados da Previ.
É tempo de eleições e de mudanças na PREVI! Estamos vivendo um momento muito difícil. A pandemia de Covid-19 nos obrigou a mudanças nunca imaginadas. Estamos experimentando o início de um novo modo de viver, ou ainda “o novo normal”.
Esse “novo normal” afetará consideravelmente nossa forma de se divertir, de comprar, de investir e de trabalhar, entre outras coisas. Na Previ não será diferente. Precisamos mudar e preparar a Previ para os tempos difíceis que estão por vir.
A chapa 2 – Mais União é formada por colegas como você, que estão diariamente buscando resultados para o BB e para a sociedade, sem nenhuma vinculação político partidária ou Sindical. Convido você a conhecer nosso projeto de gestão, nossos candidatos e suas respectivas trajetória dentro do BB.
Assista também o debate no site da Previ. Certamente ajudará você a decidir pela Chapa 2 – Mais União.
Venha também fazer parte da corrente da mudança!

Como escolher o melhor CHAPA?
As eleições estão chegando e uma pergunta não sai da cabeça dos assistidos pela Previ, como escolher em quem votar? Nesta disputa, o número de chapas é reduzido, as discussões estão acaloradas e muita gente já escolheu qual lado vai ser o seu apoio, oposição, ou situação, novo ou velho, vou votar na CHAPA 2 - MAIS UNIÃO, acredito que é tempo de mudanças profundas, e começa pelo nosso tratamento como assistido, conclamo os mais de 20 mil Pensionistas a fazer a diferença nesta eleição, onde temos a oportunidade de acreditar que teremos melhores oportunidades de sermos ouvidos sobre os nossos reclames, não estamos pedindo nada em troca apenas respeito e transparência na forma de tratamento dado até hoje principalmente pela Diretoria de Seguridade.
CHAPA 2 - MAIS UNIÃO TEM O MEU VOTO E O MEU APOIO NESTAS ELEIÇÕES, VAMOS TRABALHAR PARA QUE NOSSOS COLEGAS DA ATIVA, APOSENTADOS E PRINCIPALMENTE OS PENSIONISTAS, TENHA CONDIÇÕES DE SABER ESCOLHER ENTRE AS DUAS CHAPAS QUE SE APRESENTA.


15 junho 2020

ANS encerra direção fiscal na CASSI

ANS encerra direção fiscal na CASSI

Publicado em: 15/06/2020

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) anunciou o encerramento do regime especial de direção fiscal na Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (CASSI). A decisão atesta que a CASSI regularizou todos os indicadores econômico-financeiros que levaram à instauração da direção em julho de 2019 e cumpre as projeções que compõem o Programa de Saneamento, apresentado à ANS em dezembro do mesmo ano.
O fim da direção fiscal constante da Resolução Operacional 2.556, publicada no Diário Oficial de 15/06/2020, é reflexo direto da aprovação da reforma estatutária pelos associados, mudança que contou com o apoio das entidades representativas de funcionários da ativa e aposentados e do patrocinador, Banco do Brasil. Aliado a isso, foi determinante a adoção de medidas firmes em busca de eficiência operacional e da redução de despesas, trabalho conduzido pelas equipes técnicas da Caixa de Assistência.
Para o presidente da Caixa de Assistência, Dênis Corrêa, a Instituição fecha um ciclo delicado da sua história. Ao mesmo tempo, complementa ele, contabiliza um período marcado pelo aprendizado e pela união de todos envolvidos neste processo. “Agora é o momento de direcionar nossos esforços para a melhoria da assistência à saúde, com ações focadas na prevenção de doenças, para promover uma vida melhor aos nossos participantes”, ressalta.



11 maio 2020

ANABB articula para suspender mudanças na governança dos fundos de pensão

As articulações da ANABB no Congresso Nacional renderam mais uma importante vitória. Desta vez, a atuação foi em favor dos fundos de pensão, em especial a Previ. Nesta quarta-feira, 6 de maio, o senador Jorginho Mello (PL/SC), protocolou o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) nº 195/2020, para sustar os efeitos da Resolução nº 35/2019, do Conselho Nacional de Previdência Complementar (CNPC), vinculado ao Ministério da Economia.
A norma, aprovada em dezembro de 2019, dispõe sobre a governança dos fundos de pensão, e trouxe mudanças que geraram muitos questionamentos sobre uma possível extinção da participação do corpo funcional nas diretorias dos fundos de pensão.
Em seu art. 5º, Parágrafo Único, a Resolução nº 35 do CNPC dispõe que: “A escolha dos membros da diretoria executiva será́ realizada mediante processo seletivo, exigida qualificação técnica, com divulgação e transparência, conduzido sob a orientação e supervisão do conselho deliberativo.”
Na justificativa para embasar o PDL 195, o senador afirmou que a resolução gera insegurança jurídica, interferindo no funcionamento das entidades fechadas de previdência complementar  (EFPCs), e citou os seguintes argumentos:
• O CNPC possui a função de órgão regulador do regime de previdência complementar. Porém, com a referida resolução tratou de matéria que exorbita sua competência, contrariando a Lei Complementar nº 108/2001.
• Ao regular sobre o ingresso de membros e a composição dos conselhos deliberativo, fiscal e das diretorias executivas das entidades fechadas de previdência complementar, o CNPC desrespeitou o ordenamento jurídico vigente.
• A Resolução nº 35 limita a liberdade de escolha das diretorias executivas das EFPCs, preconizada pela Lei Complementar nº 103/2001.
• A Lei Complementar nº 109/2001 não limita a escolha dos membros da diretoria executiva a um processo seletivo, permitindo que os representantes dos participantes sejam escolhidos democraticamente por meio de eleição direta entre seus pares.
• Os participantes das entidades fechadas de previdência complementar têm o direito adquirido de participar das eleições para a diretoria executiva e sua contribuição é essencial para evitar novos e desastrosos casos de corrupção.

ATUAÇÃO DA ANABB
Em dezembro de 2019, assim que a Resolução nº 35 foi aprovada, a ANABB se reuniu com Paulo Valle, Subsecretário de Previdência Complementar do Ministério da Economia. O representante do governo explicou que o objetivo da resolução era atribuir à escolha dos diretores das entidades fechadas de previdência complementar maior qualificação técnica, por meio de processo seletivo.  Na oportunidade, a ANABB solicitou que a questão fosse reavaliada para que a redação da norma ficasse mais clara.

Clique aqui e veja: ANABB pede esclarecimentos sobre mudanças na governança dos Fundos de Pensão
Em março de 2020, durante a Reunião Anual dos Diretores Regionais, como a redação da norma não foi alterada, a ANABB pleiteou ao senador Jorginho Mello (PL/SC) e a sua equipe a apresentação do PDL para tratar sobre o assunto.
O senador é um importante parceiro da ANABB em defesa dos direitos dos trabalhadores, principalmente do Banco do Brasil. Possui um histórico de atuação nas causas que tratam de fundos de pensão, tendo sido em 2016, relator do PLP nº 268, que pretende aprimorar a governança das entidades fechadas de previdência complementar.
A ANABB seguirá acompanhando a tramitação do assunto e manterá os associados informados sobre o andamento do PDL 195/2020.

Fonte: AGENCIA ANABB.




01 maio 2020

O Princípio de Alternância de Comando.

Ponto para Reflexão:

Apego ao poder, a necessidade de novas lideranças carismáticas e visionárias se impõe.

Estamos vendo agora muitos colegas do maior fundo de pensão da América Latina, e do Brasil, (Previ), e também da maior cooperativa de crédito para funcionários do Setor Bancário, (Cooperforte) que atende a funcionários ativos, aposentados e pensionistas do Banco do Brasil S/A, Caixa Econômica Federal (CEF), e Banco do Nordeste, fazendo empréstimos com desconto direto em contas bancárias, antes era via folha de pagamento, mas devido ao enquadramento da lei dos Consignados, pelos fundos de pensão, tiveram que mudar sua forma de atuação.

Na contra mão do mercado, onde os agentes financeiros,  Bancos, financeiras,  Fintech (do inglês: financial technology) é um termo que surgiu da união das palavras financial (financeiro) e technology (tecnologia). 

As fintechs são majoritariamente startups que trabalham para inovar e otimizar serviços do sistema financeiro. 

Fizeram a concessão de novos prazos por conta da PANDEMIA que alastrou pelo mundo, a Previ cujo o prazo para pedido se encerrou ontem as 18:00 horas, fez a suspensão de 02 prestações, meses de MAIO e JUNHO de 2020, deixando claro em seu comunicado que a fez a contra gosto, por força de pedidos feitos pelo seu corpo social, atuação de líderes do nosso meio e também de pedidos de associações de aposentados e pensionistas.

A COOPERFORTE, lançou um pacote muito injusto com os colegas que estão em dias com as suas obrigações, fazendo pouco pelo seu tamanho e representatividade junto aos seus cooperados que é a sua maior razão de existir e que devido ao seu monopólio, são anos com a mesma direção, com as mesmas cabeças pensantes, com os mesmos que em formação de rodizio só troca as cadeiras, sempre mantendo o seus cargos vitalícios na Presidência e Diretoria. 

Temos que começar a ter um olhar mais acurado sobre as nossas instituições, estamos as voltas de uma eleição, logo vamos ter a troca dos cargos na Previ, e é hora de todos começar a olhar para o futuro, para o por vir, para os acontecimentos, as vezes focamos apenas nos nossos problemas e esquecemos de olhar ao nosso redor, muitos que ainda tem o privilégio de ter um grana no bolso só olha as taxas de retorno que são lhes oferecidas, mas não olha para o social ou para a situação de muitos que por décadas foram ótimos pagadores, bastaria apenas ajustes, condições especiais e todos estaria no rol de bons pagadores, mesmo com nome no SPC ou SERASA.

Assim já atua com juros exorbitantes, os agiotas legalizados como CREFISA e AGIBANK dentre outros como HELP do BMG, que tem permissão do Banco Central para emprestar.

Hoje, muitas das ações ainda necessárias para desenvolvimento do setor dependem de sua própria vontade, à luz da visão de futuro requerida que permita agir ao invés de reagir, nossa diretoria diz que são atentas as nossas necessidades, mas no fundo sabemos que é pura forma de atuar, sem ter que, de fato fazer alguma coisa que possa beneficiar, quem de fato faz a roda girar, e não se preocupe, porque eu não tenho mais relacionamento com a Cooperforte, apenas ainda mantenho uma ação em discussão com a mesma para finalizar os meus débitos junto a mesma.

Uma cooperativa de crédito pode trabalhar com um mutuário para estender os termos do reembolso ou reestruturar as obrigações de dívida do mutuário. 

Tais esforços podem aliviar as pressões sobre os tomadores em dificuldades, melhorar sua capacidade de pagar dívidas e fortalecer a capacidade de uma cooperativa de crédito de receber seus empréstimos. 

A cooperativa de crédito também podem facilitar os termos de novos empréstimos aos tomadores afetados, quando prudentes,(avaliação Caso a Caso, aumento do prazo de pagamento, Suspensão).

Isso pode ajudar seus (ASSOCIADOS), ativos, aposentados e  pensionistas a trabalhar seu impacto(Despesas Extras) devido ao COVID19.


É a ação de tornar novo aquilo que ficou obsoleto, velho ou ultrapassado, por falta de criatividade, ou seja, é modernizar e atribuir valores atualizados uma ação nova(NOVOS DIRIGENTES).

Os DIRIGENTES/POLÍTICOS, brasileiros, a cada eleição, fazem o discurso da renovação, mas passado o pleito e recebendo a posse, continua atuando na mesma maneira de seus antecessores, ou seja sempre depositamos esperança que vai mudar, vai acontecer, agora vai, agora é a hora, e depois passamos mais 04 anos vendo a caravana passar sem poder falar nada, indignados com a nossa própria sorte.

Não ia falar nada sobre esse tema, mas tem horas que ficamos com a garganta presa/entalada, com tanta injustiça nesta Pátria AMADA BRASIL.



03 abril 2020

Não basta falar, tem que fazer.

Desde crianças aprendemos a seguir exemplos. 
É sabido que, quando pequenos, repetimos atitudes dos nossos pais, irmãos mais velhos, professores ou adultos mais próximos, o que nos faz formar nossos pensamentos, ideias e costumes. 
E um dos grandes problemas desta fase é ser cobrado a agir de determinada maneira quando os exemplos nos levam ao lado oposto. 
O que dizer do pai que não deixa o filho ficar no celular ou outro faz cobranças durante o jantar e, na primeira oportunidade, checa e-mails de trabalho ou mensagens?
E o irmão mais velho que diz que você não pode comer doces antes do jantar enquanto preparar uma grande taça de sorvete? 
São exemplos simples, do dia a dia, mas que influenciam diretamente na educação e modo de pensar de uma criança que está em formação.
O quando se trata do mundo corporativo, qual a importância de agirmos de acordo com o que esperamos dos outros? 
Atualmente, um líder não é apenas um profissional estratégico com capacidade e função de motivar e influenciar pessoas. 
Ele é, também, um exemplo a ser seguido nas mais diversas áreas.
Então o que pensar do modo de agir dos nossos Eleitos para o maior fundo de pensão da América Latina,(Previ), não tem SOLIDARIEDADE para com os seus Aposentados e Pensionistas em Especial do PB-1 que concentra maior número de participantes com maior IDADE, acima dos 60 ANOS.
Estamos vivendo um momento sem precedentes na história da nossa geração.
A pandemia escancarou as fragilidades humanas perante um inimigo invisível.
Por outro lado, também trouxe a tona, a solidariedade, a empatia, a disciplina e a confiança de que em breve, voltaremos a normalidade, mesmo que em um novo normal, um pouco diferente do que até então estávamos acostumados.
Os nossos dirigentes, seja ele indicado pelo BB ou seja como ELEITOS, tem a obrigação e o dever de atender o pedido de muitos colegas pela SUSPENSÃO DE PELO MENOS 03 PARCELAS DO EMPRÉSTIMO SIMPLES E DO FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO.
O pedido da ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE para que os países redobrem o comprometimento contra a pandemia, faz com que a Previ venha ser parceira não só da Cassi neste momento, mas com todo o sistema de saúde do nosso País.
Se todo o sistema financeiro, está tendo esse cuidado, outros fundos de pensão, já tomaram as providências no sentido de colaborar com o momento de incertezas e já tomaram decisão de Suspender as Prestações, e se temos um sólido patrimônio, justificativas técnicas não pode sobrepor ao Estado de atenção, justificado pelos poderes da República, e além de pagar benefícios a missão da Previ é manter todos com Saúde Física e Mental.
Não é o momento de Mesquinharia e de Revanches, e sim de união entre todos, porque neste momento esse dinheiro que fica sem ser descontado no contra-cheque, reforça o orçamento e a alimentação de quem já tem maiores chances pela idade de contrair o COVID-19.
Juntos, temos que zelar pela nossa saúde, e a de todos que nos cercam, cumprindo com rigor as recomendações das autoridades públicas, e que nem mesmo nossos Dirigentes Eleitos e INDICADOS pelo BB tem autoridade para contestar com normas internas e regulamentos.
PEDIMOS A RECONSIDERAÇÃO COM A MÁXIMA URGÊNCIA.